Escola luso chinesa da Taipa - 凼仔中葡学校









Cá está ela, a Escola Luso-Chinesa da Taipa renascida das cinzas.
Situada entre a Rua do Regedor e a Rua Governador Tamagnini Barbosa, mesmo à entrada da Vila da Taipa.

Eu só acho que com "tanto" espaço que se cria para os casinos e outros investimentos de grande envergadura, poderia ter-se construído a escola num espaço mais aberto, mais amplo.
Por exemplo, não muito longe dalí, logo à seguir à Guarnição de Macau do Exército de Salvação Popular (mesmo antes do jardim das rosas, junto às Casas Museu) havia um belíssimo terreno, onde se acabou de construir não sei bem o quê, com um pequeno jardim, que também não sei bem para que serve.

No espaço onde está hoje a Escola Luso-Chinesa, poderia ter-se construido um jardim que só viria dignificar aquela área e torna-la mais agradável... apesar dos omnipresentes casinos Galaxy e Venetian logo alí...

2 comments:

macau_sporting said...

sem levar a mal, penso eu de que...a designação da "vila" da Taipa já está desactualizada, pois com o desaparecimento das camâras municipais, deixou de ter divisão administratitiva entre Macau e o resto do território...mas posso estar enganado...só mais uma pergunta, porque é que você usa sempre o carácteres chineses simplicados? Apesar de não podemos dizer que são incorrectos (como foi o caso DSF...), não é a forma mais popular nesta região

Cyrano said...

Olá "Macau_Sporting",

Sobre a designação de "Vila da Taipa" e a questão do desaparecimento das câmaras municipais, não lhe sei responder.
No entanto, a designação está lá, naquela "entrada", por trás da escola, e tanto o IACM como a Direcção dos Serviços de Turismo (na suas publicações oficiais e nos diversos materias promocionais publicados), utilizam esta designação. Penso que talvez "Vila da Taipa", seja actualmente "apenas" isso, uma designação, que nada mais tem a ver com um estatuto de "centro administrativo" próprio.

Quanto à minha opção da utilização do chinês simplificado (apesar de no Território se utilizar o tradicional), esta deve-se unicamente a um factor: eu só conheço, ou reconheço, o simplificado. Também poderá ter reparado que a transcrição que utilizo é o pinyin (do mandarim portanto), quando cá fala-se cantonense. Poderia ter utilizado uma transcrição fonética do cantonense, mas não o fiz. É apenas uma questão de conveniência, visto que tento aprender o mandarim e a escrita utilizada é sempre a simplificada.
Sem mencionar o facto de que a versão simplificada é actualmente a mais difundida.

Obrigado pelo seu comentário.